terça-feira, 5 de abril de 2016

Bookeando #14 - A Casa das Marés


Título: A Casa das Marés
Série: ---
Autor: Jojo Moyes
Ano: 2015
Editora: Bertrand Brasil
Nota: 4/5

Sinopse: Merham é uma metódica cidade litorânea na década de 1950. Lottie Swift, acolhida durante a guerra e criada pela respeitável família Holden, ama viver ali, mas Celia, a filha legítima do casal, não vê a hora de ultrapassar as regras da cidade.
Quando um excêntrico grupo de artistas se muda para uma velha mansão construída de frente para o mar, as meninas não resistem à tentação de se aproximarem deles. Mas o choque para os moradores de Merham é inevitável e acaba por desencadear uma série de acontecimentos que terão consequências trágicas e duradouras para todos. 
Quase cinquenta anos depois, no início do século 21, a mansão começa a ser restaurada, voltando à vida e, mais uma vez, trazendo à tona intensas emoções. E a magia que permeia a mansão faz com que os personagens confrontem suas lembranças e se perguntem: É possível deixar nosso passado para trás?
********************************************************************************************************************

E aí, bora bookear?

Antes de começar a falar do primeiro livro de Jojo Moyes que li, quero que você vá na cozinha e pegue uma maça descasque e jogue a casca para trás dos ombros (e pode comer a maça). Olhe que letra deu, lembre-se de alguém que o nome começa com essa letra e pronto ela vai ser a pessoa com quem irá casar. 



Se você acredita nisso, como é caso da Sra. Holden, saiba que nem sempre dá certo. Nesse romance de Jojo ela mescla entre o futuro e o presente de uma forma ágil e sucinta fazendo com que tudo se ligue e se esclareça no final. A história está na terceira pessoa sendo possível ter uma visão ampla dos acontecimentos, pois fica-se alternando a visão dos fatos com os personagens assim compreendemos melhor seus medos, preocupações e emoções.

Tudo tem início a 50 anos atrás quando Lottie, acolhida pela família Holden, e Celia a filha legitima, envoltas em uma amizade sincera se veem curiosas com a chegada de pessoas excêntricas (artistas) na cidade um tanto arcaica e conservadora. Que não perdem tempo para fofocar dos novos moradores da Arcádia, a mansão que já é mal vista desde do começo pela sua modernidade. As duas atraem o olhar da cidade quando começam a se envolver com os artistas dessa forma percebemos o preconceito estampado nos moradores de Merham.

O livro é divido em três partes a primeira contanto os acontecimentos da vida de Lottie e Celia a segunda já no século 21 tem como destaque Dayse e Camille já enfrentando seus amores conturbados e a terceira é os caminhos de todos se ligando de uma forma esplêndida.

A história sem dúvida é envolvente e visceral com personagens com características próprias conturbados por um passado tempestuoso e anos de amores sofridos, divididos em escolhas conflituosas. O final fica algumas coisas mal explicadas mas que venha outros livros de Jojo que ganhou um lugar no meu coração e na minha estante.

“Ás vezes, quanto menos atenção damos a um problema melhor. Causa menos estrago.”

terça-feira, 29 de março de 2016

[TAG] - LivroXSeriadosXFilmes

Iae, galera?
Estou aqui novamente para fazer uma TAG, criada pelo blog Encontro com Livros
P.S. Amo fazer TAG's e participar de desafios então quem quiser me taguear ou desafiar fique  a vontade. 

Vamos começar!




1- Uma saga/trilogia que deveria virar filme?

R - Percy Jackson. É, eu sei, já fizeram dois filmes, mas para nós, meros fãs, foi um fiasco. O primeiro arrancou o coração do livro, o segundo deu uma melhorada, mas não deu certo. Ainda sonho em ver todos, absolutamente todos os livros de Rick Riordan virando filmes, pois ele dá uma de Marvel, mesclando todos as sagas. Meu maior desejo é vê-los numa série da Netflix.

2- Um seriado que você assistiu sem parar?

R - Friends. Vivia dizendo que amava a série apesar de ter assistido apenas alguns episódios. Tomei vergonha na cara e assisti a todas as 10 temporadas sem parar. Hoje posso usar todas as letras A.M.O.  F.R.I.E.N.D.S! Essa série é viciante!

3- Um livro que te deu vontade de assistir o seriado?

R - Os Instrumentos Mortais. Já havia lido os livros a bom um tempo. Assisti ao filme e não gostei, quando disseram que não teria continuação, me desesperei. Para a alegria dos fãs veio a notícia, eles se tornariam série de tv, achei até melhor, poderiam desenvolver a saga com mais calma. Estou acompanhando a série, mas não estou tão empolgado.

4- Um seriado que te deu vontade de lê o livro?

R - Diários de Um Vampiro. Eu sou ou era apaixonado por essa série, ainda não decidi, porque ela está ficando um pouco desgastante. Li apenas os quatro primeiros volumes e não gostei, prefiro mil vezes a série de tv ao livros.

5- Livro: como capa original ou do filme?
R - Capa Original. Não gosto muito de livros com pessoas na capa, qualquer livro.

6- Um filme que você gostaria que tivesse livro?


R- Sucker Punch - Mundo Surreal. Esse filme é incrível, com muitos efeitos visuais que lhe envolvem na história. Um grupo de meninas que buscam fugir  do hospício. Uma mistura de realidade com surrealismo. 

7- Um livro que deveria se tornar um filme?

R- As Luzes de Setembro. Que livro! Leiam! É escrito por Carlos Ruiz Záfon, esse autor é o cara, nunca havia lido uma obra dele antes, agora sou apaixonado por sua escrita envolvente. O livro já é um roteiro cinematográfico só precisam colocá-lo nas telas.



8- Ler antes de assistir ou assistir antes de lê?
R- Tanto faz. Claro que quando se assisti antes de lê te desmotiva um pouco, mas na minha opinião, se eu gostei muito do filme tenho curiosidade de saber como ele foi escrito, por isso eu o leio.

9- Ler uma saga de uma vez só ou aos poucos?
R- Dependo do quanto gostei da saga. Por exemplo, li A seleção em três dias, era um livro atrás do outro, e assim que saiu A Herdeira li também. Ansioso pelo próximo volume.

10- Um livro por vez ou vários?
R- Vários. Sempre gosto de opções e sempre fico ansioso para ler novos livros, o que me faz pegar vários e lê-los ao mesmo tempo. Nunca misturo as histórias, pois sempre pegos livros de temáticas diferentes.

11- Na hora da leitura, silêncio total?
R- Depende. Se já estou conectado ao livro nem me importo com o barulho, se estou tentando me conectar a história ou se trata de um livro com uma linguagem mais complicado, como O Senhor dos Anéis, silêncio é fundamental.

12-  Filme/Seriado: dublado ou legendado?
R- Legendado. Sempre. Ler legendo lhe ajuda a melhor o inglês, você pratica a "leitura rápida" além de ter que prestar atenção em duas coisas ao mesmo tempo, na legenda e nas imagens. 

sábado, 26 de março de 2016

Cinemando #12 - Esperar Para Sempre


Ano: 2010
Gênero: Romance, Drama
Diretor: James Keach
Nacionalidade: EUA
Nota: 3/5
Música: A Thousand Years - Christina Perri

Sinopse: Emma e Will perderam o contato que tinham na infância, quando mantinham uma bela amizade. Ela seguiu em frente. Ele jamais a esqueceu. Quando Emma voltou á sua cidade natal, Will vai fazer de tudo para não deixar seu grande amor escapar mais uma vez.


E aí, bora cinemar?

O personagem de Tom Sturridge, Will, um cara que desde da morte dos seus pais se prendeu a ingenuidade e no amor pela sua melhor amiga (simples, não?), ele é a caracterização de tudo que deveríamos ser: ingênuo, artista que procura encantar a todos ao mesmo tempo não liga para o dinheiro e as preocupações fúteis além de não se importar com o que pensam sobre ele e, claro, acreditar que o amor pode mudar tudo e a todos, o elixir da vida eterna.


Enquanto Emma, interpretada por Rachel Bilson, é a garota adorável que faz péssimas escolhas, principalmente na vida amorosa e que está sofrendo com o câncer de seu pai.


A paixão que Will sentia por Emma só aumenta e com isso passou a persegui-la não como um psicopata, mas como um apaixonado, percebemos ai uns resquícios de loucura.


De início esperava por um filme açucarado, pois estava procurando por algo do gênero, mas ele é puxado mais para o lado do drama, centrado na relação entre irmãos, entre amigos e pai e filha, pois o amor poético só vemos do protagonista e o romance deixou a desejar. Esse foi o motivo que me fez não gostar tanto do filme porque queria um romance.

Nunca pensei em ficar tão indeciso m relação a um filme. Assim como todos tem seus altos e baixos me apeguei mais aos seus voos altos do que as cenas mais "pobres". "Esperar para sempre" não foi um dos melhores do gênero que já assisti,mas por ter me identificado com o Will, ele me fascinou. O filme é inofensivo.


"Porquê um passo contrário a você parece um passo na direção errada?"

TraiLer:

terça-feira, 22 de março de 2016

Bookeando #13 - O Fogo


Título: O Fogo
Série: Bruxos e Bruxas #03
Autor: James Patterson
Ano: 2014
Editora: Novo Conceito
Nota: 1/5

Sinopse: Whit e Wisty Allgood sacrificaram tudo para liderar a Resistência contra o regime sanguinário qu governa o mundo. O líder supremo, O Único Que É O Único, baniu tudo o que havia de bom: livros, música, arte e imaginação. Mas o poder dos dois irmãos parece está longe de conseguir deter O Único, e agora ele executou a única família que eles tinham. Wisty sabe que o momento se aproxima. Em breve ela estará cara a cara com O Único. A sua bravura e o seu dom canalizam ainda mais poder para esse ser, que já é invencível. De que maneira ela e Whit poderão se preparar para o confronto iminente com o implacável vilão que devastou o seu mundo – antes de ele se tornar verdadeiramente onipotente? 
********************************************************************************************************************

E aí, bora bookear?

A história já começa com ação assim como nos outros dois livros. Uma nova ameaça surge, a peste do sangue, a qual Wisty contraiu, Whit não sabe o que fazer, sua única certeza é de que ninguém sobrevivi a essa doença que mata em poucas horas.  Eles também precisam se preparar para a grande luta contra o Único, mas para isso precisam encontrar todos da resistência que acabaram se separando no livro anterior.

Estava apostando todas as minhas fichas nesse último volume da trilogia, pois não gostei dos livros anteriores. E mais uma vez me decepcionei. Esse era para ser o grande desfecho, porém minha frustação só aumentou. A história continua sendo desenvolvida de uma forma tipo o Flash e nada positiva. Os personagens secundários não tem importância alguma nessa série. A magia não tem regras. E a luta contra o Único foi muito trash.

Acredito que James Patterson resolveu seguir a onda de distopias e resolveu criar uma. Nada legal. Como já disse antes, o miolo da história tem potencial – bruxos e bruxas sendo caçados, as artes são fontes de magia por esse motivo são proibidas, um mundo distópico que é uma mistura de ditadura militar e inquisição espanhola. Nunca desejei tanto que um livro fosse levado aos cinemas e modificassem ele todo, tenho certeza que os roteiristas fariam algo bem legal com a história. 

Descobri que existe mais dois volumes, os quais não pretendo ler. Essa série não me agradou em nada. Minha relação com James Patterson começou com pé esquerdo, mas não pretendo deixar isso me afetar. Pode ser que nesses livros ele não tenha sido bem. Vou lhe dar outra chance. Além do que, tenho outros livros do autor guardados em minha estante a décadas.


P.S. A série de livros pode ser também encontrada em mangás e HQ's. Os direitos dos livros para virarem filmes foram vendidos desde 2013 e até hoje nada de notícias.


"Só quero sair correndo desse lugar e continuar correndo até estar livre: correr para os braços de minha mãe, de volta para a minha infância, para um lugar onde a Nova Ordem nunca existiu e onde eu nunca fui Bruxa, onde eu não era alguém de quem todo mundo estivesse dependendo."

sábado, 19 de março de 2016

Cinemando #11 - Deadpool


Ano: 2016
Gênero: Comédia, Ação, Aventura
Diretor: Tim Miller
Nacionalidade: EUA, Canadá
Nota: 5/5
Música: Salt-N-Pepa - Shoop

Sinopse: Ex-militar e mercenário, Wade Wilson é diagnosticado com câncer em estado terminal porém encontra uma possibilidade de cura em uma sinistra experiência científica. Recuperado, com poderes e um incomum senso de humor, ele tornar-se Deadpool e busca vingança contra o homm que destruiu sua vida.


E aí, bora cinemar?

Finalmente assisti a Deadpool! Valeu a espera. Foi quase um mês de sessões lotadas aqui na minha cidade. 
Nosso amado anti-herói teve sua primeira aparição em X-Men Origens: Wolverine, fazendo uso de seu poder de cura volta ao cinema em um filme solo. E a zoeira é o que dá o tom desde o início.

Um breve resumo: o mercenário Wade Wilson ganha seu trocado aplicando pequenos golpes. Leva uma vida relativamente tranquila. Até que, conhece a prostituta Vanessa Carlysle, por quem se apaixona. Quando pensa que encontrou a felicidade vem a vida e te dá um soco no saco, ele é diagnosticado com câncer terminal. A esperança reside em um tratamento comandado por um sujeito de nome Ajax. Porém, há efeitos colaterais. Além de adquirir poderes sobre-humanos, Wade fica com a cara de... “um abacate que transou com um abacate mais velho ainda”.

Deadpool se apresenta como “mais um filme de super-herói”, com “mais uma garota gostosa”, “mais um vilão de sotaque britânico”. E por quê? Porque ele está longe de ser mais do mesmo. Estamos falando de um anti-herói. Um herói nada convencional de humor negro que sabe que está dentro de um filme e faz piada de si mesmo.

Apesar do texto ágil e afiado, de grandes cenas de ação, a trama central é relativamente simples e previsível. Mas cumpre a função de apresentar um personagem não tão conhecido do grande público. Deadpool resulta em uma espécie de "Guardiões da Galáxia". Pra quem não conhece muito do universo dos super-heróis pode achar o filme um tanto banal com piadas sexuais, falando ”fuck” e com muita violência, mas se tirassem isso não seria Deadpool. Além de que, se você entende as referências não vai parar de rir. Não irei falar mais nada para não sair spolier.

TraiLer: